jusbrasil.com.br
7 de Julho de 2022

Advogados têm garantia de recebimento de honorários em casos de bloqueio de bens de clientes

Enviar Soluções, Advogado
Publicado por Enviar Soluções
há 15 dias


Com a sanção da Lei 14.365/2022, que atualizou o Estatuto da Advocacia (Lei 8.906/1994), a advocacia comemora importantes vitórias para o dia a dia da profissão. Em uma das alterações de destaque, o novo texto garante ao advogado a liberação de 20% dos bens bloqueados do cliente por decisão judicial para fins de recebimento de honorários e reembolso de gastos com a defesa.

Quando se tratar de dinheiro em espécie, o valor será diretamente transferido para a conta do advogado ou do escritório de advocacia. Nos demais casos, o advogado pode optar pela adjudicação do bem ou pela sua venda.

Na prática, a alteração é importante especialmente aos advogados criminalistas e tributaristas, áreas cujas medidas aplicadas recorrem ao bloqueio de bens com frequência.

Veja como ficou a redação da lei Lei 8.906/1994, com as alterações:

“Art. 2º A Lei nº 8.906, de 4 de julho de 1994 ( Estatuto da Advocacia), passa a vigorar com as seguintes alterações:

Art. 2º …………………………………………………………………………………………………..

………………………………………………………………………………………………………………

“Art. 24-A. No caso de bloqueio universal do patrimônio do cliente por decisão judicial, garantir-se-á ao advogado a liberação de até 20% (vinte por cento) dos bens bloqueados para fins de recebimento de honorários e reembolso de gastos com a defesa, ressalvadas as causas relacionadas aos crimes previstos na Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006 ( Lei de Drogas), e observado o disposto no parágrafo único do art. 243 da Constituição Federal.

§ 1º O pedido de desbloqueio de bens será feito em autos apartados, que permanecerão em sigilo, mediante a apresentação do respectivo contrato.

§ 2º O desbloqueio de bens observará, preferencialmente, a ordem estabelecida no art. 835 da Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015 ( Código de Processo Civil).

§ 3º Quando se tratar de dinheiro em espécie, de depósito ou de aplicação em instituição financeira, os valores serão transferidos diretamente para a conta do advogado ou do escritório de advocacia responsável pela defesa.

§ 4º Nos demais casos, o advogado poderá optar pela adjudicação do próprio bem ou por sua venda em hasta pública para satisfação dos honorários devidos, nos termos doart. 879 e seguintes da Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015 ( Código de Processo Civil).

§ 5º O valor excedente deverá ser depositado em conta vinculada ao processo judicial.”

Histórico

O Projeto de Lei nº 5.284/2020, que atualizou diversos dispositivos do Estatuto da Advocacia, teve autoria do deputado federal Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) e recebeu contribuições substantivas dos relatores, o deputado Lafayette de Andrada (REP-MG), na Câmara; e o senador Weverton Rocha (PDT–MA), no Senado; além de outros parlamentares, da Ordem dos Advogados do Brasil, juristas e demais atores do Sistema de Justiça. Aprovados pelas duas Casas, o PL resultou na Lei 14.365/2022, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em 2 de junho.

Fonte: OAB


Precisando de Cópias Processuais ? Fale com a Enviar Soluções!

📰 Veja também:

➡️ 28 aplicativos úteis para advogados aumentarem sua produtividade

➡️ Auxílio-doença: o que é, quem tem direito e como funciona?

................................................................................................

🔥 Curso de Atualização em Processo Civil - Com os melhores processualistas do país - 100% online!

Informações relacionadas

Professor Rafael Siqueira, Advogado
Notíciashá 15 dias

Tribunal confirma validade de penhora do bem de família dado por fiador em garantia de locação comercial ou residencial

Juliano Silva, Advogado
Notíciashá 16 dias

Trabalhador não poderá arcar com honorários de sucumbência quando beneficiário da justiça gratuita.

Hiromoto Advocacia, Advogado
Notíciashá 15 dias

Consumidor deve ser indenizado por corte indevido no fornecimento de água

Justiça condena empresa especializada em formaturas por descumprimento de contrato

Armando Zanin Neto, Advogado
Notíciashá 16 dias

Acordos e convenções coletivas prevalecem sobre a lei, diz STF

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)